Tecnologia do Blogger.

Ouvimos:The Next Day do David Bowie!


      Olá meus amores! Estou de volta com mais um review de cd pra vocês! Dessa vez eu vou falar de The Next Day, um lançamento de 2013, o álbum mais recente do David Bowie  :)
      Não é uma grande novidade eu vir aqui falar desse disco, não é? Eu juro que eu me esquivei ao máximo pra evitar falar sobre glam rock aqui, mas foi inevitável. 
     Já faz quase dois anos que esse disco foi lançado mais ainda não enjoei dele. Me lembro muito bem que sai correndo no lançamento pra conseguir o meu. Assim como o Pink Floyd e muitas outras bandas e músicos que eu gosto, eu conheci as músicas do Bowie por meio da falecida MTV. Devo a ela quase tudo que eu sei de música.
   Esse disco marcou a volta do músico, que ficou por quase mais de dez anos em total silêncio, depois do disco Reality e da sua última turnê até hoje, A Reality Tour. Esse cd foi uma total surpresa, tanto para o público como para a crítica, já que desde de 2003 não se ouvia mais nada sobre se quer um single novo. 


     Se você não conhece nem se quer uma música do David Bowie, você não merece dizer que é fã de rock. Ele simplesmente mudou tudo em questão de sonoridade e estilo a partir dos anos de 1972, com seu disco de maior sucesso depois de Space Oddity, o LP Hunky Dory, que trouxe clássicos como Life On Mars?, Changes, Oh! You Pretty Things e Queen Bitch. 
    The Next Day simplesmente foi primeiro lugar de vendas em todos os países que foi lançado. Trazendo 17 faixas inéditas para o ocidente e uma versão estendida para o oriente com mais 10 faixas além das anteriores, totalizando 27 faixas. Não tem como eu dizer às músicas que eu mais amei nesse disco. Todas são ótimas, mas as que mais me chamaram a atenção foram The Next Day, Valentine’s Day e Where Are We Now? Elas me atraíram muito mais visualmente do que por outro motivo (por causa dos clipes) mas as letras e a banda são impecáveis. 


      Infelizmente, eu não posso indicar esse disco para todos. Se você é uma pessoa religiosa e que se ofende com críticas, é melhor você passar longe de The Next Day. O clipe e a letra do primeiro single, que da o nome ao cd, pode ser bem ofensivo pra alguém que seja da igreja católica. O aviso foi dado. Mas se você for assim como eu e não se importa com esse tipo de crítica, vai fundo! Esse cd é pra você!
     Assim como a maioria das bandas de rock e músicos que nasceram nas décadas de 60 e 70, a música dele simplesmente não envelhece. Vai ser sempre uma ótima opção pra você que quer conhecer mais do bom e velho rock clássico.
Por hoje é só queridos, até o próximo post :*

Post por

4 anos de Cupcake Rock! *--*



    Essa semana completamos 4 anos de blog!Uhul!!Que felicidade!Não temos palavras para agradecer a todos vocês (isso mesmo!),pois são a parte mais importante da nossa trajetória.Para comemorar essa data tão especial,resolvi separar 5 posts que mais gostamos durante esses 4 anos.

   1)Nosso primeiro post!!
       No post de estréia do blog falei um pouco de bandas e cantores que influenciaram várias bandas no decorrer dos anos!


      2)Tutorial look de artista!

          Esse foi um dos posts que mais curti fazer.Escolhemos 2 artistas que serviam de inspiração para nós,e montamos looks baseado neles!



     3)Lançamento da nova coleção da Casa 87!

         Conhecemos uma loja super linda aqui de Recife,toda no estilo retrô e com coisas super lindas para vender!As peças eram exclusivas,e ficamos com vontade de levar tudo! *-*


     4)Pré-estreia do primeiro filme dos Vingadores!!

          Viivih foi fazer a cobertura de quando saiu o primeiro filme do Avengers,com direito a cosplays e tudo mais!!


      5) Cabelos coloridos!!

       Para vocês que nos acompanham desde o início,sabe que somos apaixonadas por moda alternativa e cabelos coloridos.Fizemos vários posts falando sobre isso,inclusive dando opções de como pintar o cabelo,as melhores cores e os cuidados que deve ter com os mesmos.



    Para quem se interessar em ver os nossos outros posts,é só dar uma olhada nas nossas tags ou ir na caixa de busca.Foram muitos assuntos retratados,tutoriais e dicas.Esperamos crescer cada vez mais e com a ajuda de vocês sempre.Muito obrigada por esses 4 anos de blog pessoas!E que venha muito mais! :*



Você realmente conhece a Audrey Hepburn?


     Não sei vocês,mas já vi todo de tipo de coisa com imagens da Audrey Hepburn por aí.Camisas,almofadas,canecas,botons,abojours,bolsas e por aí vai.Daí fico me perguntando:será que essas pessoas sabem que ela foi?O que ela fez e o que ela representa?Foi daí que surgiu a ideia de fazer esse post.Vamos conhecê-la melhor?

         Audrey Kathleen Ruston,conhecida como Audrey Hepburn nasceu no dia 4 de maio de 1929 na cidade de Bruxelas,na Bélgica.Tinha dois meio-irmãos por parte de mãe.Seus pais se separaram quando tinha 9 anos.Para evitar que que Audrey se metesse em brigas familiares,sua mandou-a para um internato na Inglaterra onde se interessou por balé.Em 1939,com o início da Segunda Guerra Mundial,sua mãe,que era uma baronesa,temia pela segurança da filha e acabaram ficando na Holanda,pensando que seria mais seguro.Ao contrário do que pensaram,acabaram em um grande sufoco,passando até fome durante esse período.Mais na frente Audrey  recusaria o papel de Anne Frank no cinema.
       Com o fim da guerra,sua família e ela retornaram para a Inglaterra,onde continuara com as aula de balé.Só que infelizmente,pelo fato de ser muita alta ela foi recusada.Desiludida,AH passou a trabalhar como corista e modelo fotográfica para ajudar no sustento da família.


    Foi neste ponto que decidiu investir em outra área: a atuação. Sua estreia foi no documentário Dutch in Seven Lessons, seguido por uma série de pequenos filmes. Em 1952, viajou para a França para a gravação de Montercarlo Baby, e foi vista no saguão do hotel em que estava hospedada com o elenco pela escritora Collette. Naquele momento, Collette trabalhava com a montagem para a Broadway da peça Gigi, cujo papel-título ainda não tinha intérprete. Encantada com Audrey, decidiu que ela seria a sua Gigi.As críticas para Gigi não foram de todo favoráveis, mas era opinião geral que aquela desconhecida que interpretava o papel principal era destinada ao sucesso.
     Pouco tempo após o encontro com Collette,Audrey participou de uma audição para o filme A Princesa e o Plebeu. Encantado com a atriz, o diretor William Wyler escalou-a para viver a Princesa Ann, dividindo a cena com Gregory Peck, que também surpreendeu-se com o talento da companheira.O sucesso da produção foi também o de Audrey.Hollywood amou-a imediatamente e a agraciou com o Oscar de Melhor Atriz.Três dias após a cerimônia do Oscar, recebeu o Tony por sua atuação em Ondine.
    Em 1953 a peça Sabrina Fair de Samuel A. Taylor ainda estava sendo montada na Broadway quando os executivos da Paramount Pictures perceberam que sua história era perfeita para ser utilizada no novo filme da nova estrela do estúdio; a vencedora do último Oscar Audrey Hepburn.Para adaptar o filme para as telas a Paramount convidou o também premiado Billy Wilder.Em parceria com o autor da peça Samuel Taylor e com o ótimo roteirista Ernest Lehman, Wilder passou a reescrever Sabrina, o filme que fora o maior sucesso do estúdio em 1954.O filme rendeu a atriz sua segunda indicação ao Oscar.Durante as filmagens ela teve um breve relacionamento com William Holden,mas terminou quando soube que ele havia feito vasectomia.

      A peça Ondine fora uma sugestão de Mel Ferrer, por quem se apaixonaria durante a temporada na Broadway. Os dois foram apresentados por Gregory Peck em uma festa em 1954 e se casaram em setembro daquele ano.O filho de Audrey e Mel, Sean, nasceria em 1960. Mas as coisas não foram fáceis até aquele momento: Audrey sofreu diversos abortos. A atriz queria mais do que tudo ser mãe, e as gravidezes falhadas deixaram-na extremamente deprimida. Para animar a esposa, Mel sugeria que trabalhasse. Eles gravaram juntos Guerra e Paz, e ela estrelaria três comédias-românticas (Cinderela em ParisAmor na Tarde e A Flor que não morreu), um drama (Uma cruz a beira do abismo, que rendeu-lhe a terceira indicação ao Oscar e afastou qualquer dúvida sobre seu talento) e um faroeste (O passado não perdoa).
   Após um ano e meio de licença-maternidade, voltou a Hollywood para estrelar Bonequinha de Luxo, em um papel que a transformaria em um ícone e pelo qual seria lembrada para sempre. Por viver a prostituta de luxo Holly Golightly ela receberia sua quarta indicação ao Oscar. Pouco tempo depois filmou InfâmiaCharada e Quando Paris alucina.
  Em 1963, recebeu o papel principal do musical My fair lady, o da vendedora de flores Eliza Doolittle. Entretanto, a voz de Audrey não foi utilizada durante as canções, sendo dublada. Isso deixou a atriz extremamente aborrecida e fez com que abandonasse as gravações por um dia.Audrey não foi indicada ao Oscar por esse papel - fato que até hoje é considerado uma injustiça - devido à dublagem e também pela não-escolha de Julie Andrews (que interpretara Eliza na Broadway) para o papel. Andrews ganharia o Oscar daquele ano por seu papel em Mary Poppins.Em seguida gravaria Como roubar um milhão de dólares, Um caminho para dois e Um clarão nas trevas, este último dirigido por seu esposo em uma falha tentativa de salvar seu casamento.Audrey Hepburn e Mel Ferrer se divorciaram em dezembro de 1968.

     Ela decidiu parar de atuar e se casaria novamente apenas seis semanas após o divórcio, com o psiquiatra italiano Andrea Dotti, que conheceu em um iate.Audrey deu à luz o seu segundo filho, Luca Dotti, em 1970. O casal morou por um ano em Roma, para em seguida a atriz ir viver na Suíça com os dois filhos.Decidiria voltar a atuar em 1976, estrelando Robin e Marian. Três anos mais tarde retornaria à cena em A herdeira.Pediu o divórcio em 1980 e o processo se formalizou em 1982. Neste período, gravou Muito riso e muito alegria, e no fim das filmagens conheceu Robert Wolders. Tornaram-se grandes amigos e viveram juntos até a morte de Audrey.
    Em 1987 deu início ao seu mais importante trabalho: o de Embaixatriz da UNICEF.Audrey, tendo sido vítima da guerra, sentiu-se em débito com a organização, pois foi o "United Nations Relief and Rehabitation Administration" (que deu origem à UNICEF) que chegou com comida e suprimentos após o término da Segunda Guerra Mundial, salvando sua vida. Ela passaria o ano de 1988 viajando, viagens estas que foram facilitadas por seu domínio de línguas (Audrey falava fluentemente francês, italiano, inglês, neerlandês e espanhol).Em 1989 faria uma participação especial como um anjo em Além da eternidade. Este seria seu último filme.Audrey passaria seus últimos anos em incansáveis missões pela Unicef, visitando países, dando palestras e promovendo concertos com causas.

    Em 1993 foi diagnosticada com câncer de apêndice, que espalhou-se para o cólon. Morreu às 7 horas da noite de 20 de janeiro de 1993, aos 63 anos. Encontra-se sepultada no cemitério de Tolochenaz, Vaud na Suíça.

      Audrey Hepburn é um grande exemplo de superação para todos nós.Além de ícone do cinema,teve grandes feitos que foram mundialmente conhecidos.Em 2009 ela foi eleita a mulher mais bonita de Hollywood.Ícone do cinema,da moda e também a maior lenda feminina do cinema.Senhora e senhores,eis Audrey Hepburn.




Estive pensando: talvez era para acontecer.


        Existem horas nas nossas vidas que as coisas parecem estacionar.E quando falo estacionar pode ser para coisas maravilhosas que estejam acontecendo e que a gente ache muito estranho ou até mesmo situações ruins,que podem nos deixar tristes,pensativos ou irritados.Sou daquelas que quando muitas coisas boas começam a aparecer na minha vida eu acho engraçado.Paro e penso:"nossa é isso mesmo?Eu estou vivendo isso de verdade?".Achava.Hoje não acredito nisso.Posso dizer que a minha vida está realmente meio estacionada de um tempo para cá,em algumas coisas.Mas não significa uma coisa necessariamente ruim.Estou aprendendo a aceitar.

       Amadureci com situações que talvez eu achasse que iam me derrubar.Porque quando o problema vem não quer saber o que você está vivendo,não quer saber quem é seu amigo ou quem não é.Se você não tiver onde se sustentar,ele vai passar e vai levar o que vê com tudo.De uma coisa tenha certeza:nunca (isso mesmo NUNCA!!) acredite que a sua felicidade depende de alguém.O segredo está dentro da gente mesmo e nem prestamos atenção que somos responsáveis pelo o que colhemos.Se não crescer e aguentar firme,não vai ter ninguém que faça isso por você.Uma vez eu ouvi de uma certa pessoa,que o mundo nos vê  da seguinte maneira:ele roda,ok?E nós estacionamos.Se a gente não procura mudar,amadurecer ou se desprender do passado ele vai girar e não vai esperar a gente se decidir,se vamos seguir em frente.Nada vai esperar.

        Mudanças atingiram a minha vida.Uma boa parte delas me machucou e ainda hoje dói um pouco quando me pego pensando em tudo que passei e que passo.Acho,que a principal mudança foi o fato de aceitar que a dor ou a tristeza que sinto é necessariamente ruim.TALVEZ ERA PARA ACONTECER,porque eu estava precisando crescer naquilo que no fundo eu sabia que não deveria ser daquele jeito,ou simplesmente não era para ser.Pessoas passam pela nossa vida e com certeza não foi por acaso.Na hora você chora,quer gritar e brigar e perde a razão o estímulo para as coisas.Ai meu Deus como a gente é extremista e dramático!!Mas acredite,vai passar.no começo machuca,aos poucos vai fechando e algumas vezes nos magoamos e vai sangrar de novo.Mas no final a gente vai até rir daquilo que passou.Na maioria das vezes deixamos passar pessoas e oportunidades incríveis nas nossas vidas.Nos arrependemos e sempre será tarde demais.Fique atento.

       Não digo que estou triste e para baixo exatamente.Apenas aceitando que determinadas coisas foram necessárias.Seja lá porque eu não estava preparada,ou porque tenho que aprender a respeitar o tempo da pessoa ou então uma coisa maravilhosa está chegando.Então realmente não era para ser.Sou uma rocha e vou realmente aguentar.Sei que tá doendo,que eu as vezes choro.Mas sou humana e ainda tô aprendendo com os meus erros,minhas escolhas,meus acertos.De uma coisa eu tenho certeza:seja o que for,vai passar.