Tecnologia do Blogger.

Vale a pena assistir:A Barraca do Beijo



    Mais uma vez a Netflix produz um filme voltado para o público mais jovem.Vamos e convenhamos que de vez em quando é legal ver filmes,eu particularmente curto.

     Baseada em livro é difícil aceitar a situação básica: uma garota de família (Shelly, feita por Joey King, uma veterana desde pequena, incluindo Independence Day, Invocação do Mal e a série Fargo) tem um amigo a quem jurou fidelidade, mas não romântica, Lee (Courtnay, este com apenas 16 créditos). Teria que contar tudo para ele, o que vem a ser um problema quando ela se apaixona (e vice versa) por Noah, um jovem colega bonitão que ela não consegue resistir (e o ator Jacob Elordi é realmente novato, parece ser australiano e não teve credito nem no último Piratas do Caribe).

Os dois se apaixonam ainda mais quando vendem beijos na tal barraca. Acontecem as confusões de praxe, mas sem maiores pretensões. Para os mais velhos a curiosidade é a presença muito curta da antiga estrela agora madura Molly Ringwald, que outrora fez sucesso em filmes como Gatinhas e Gatões, Clube dos Cinco, A Garota de Rosa Schoking (todos recomendadas para jovens teens). O diretor e roteirista Vince Marcello é especializado em diversão para os jovens.

A Barraca do Beijo (The Kissing Booth). EUA, 18. Direção de Vince Marcello.1h45. Comédia romântica juvenil. Baseado em livro de Beth Reekles.Com Joey King (mulher), Joel Courtney, Jacob Elordi, Carson White, David Morin, Bianca Bosch, Nathan Lynn. Participação especial de Molly Ringwald.



Leia mais em: http://www.atribuna.com.br/noticias/noticias-detalhe/cultura/a-barraca-do-beijo-traz-historia-bobinha-mas-sem-ser-ofensiva/?cHash=9261f4a45a807cab404170bb298a7756


Comente com o Facebook: